Flávio Dino considera grave mudar Constituição por puro revanchismo

Ex-juiz federal, o governador do Maranhão, Flavio Dino (PCdoB), criticou a posição de parlamentares e do ministro da Justiça, Sergio Moro, que passaram a defender a aprovação de emenda constitucional para permitir a prisão após condenação em segunda instância.
“Vejam a gravidade de alterar uma cláusula pétrea por mero revanchismo. Rol do Artigo 60, parágrafo 4º: A forma federativa de Estado; O voto direto, secreto, universal e periódico; a separação dos Poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário; os direitos e garantias individuais”, disse o governador.
Na sua avaliação, a emenda constitucional da segunda instância pretende alterar regra constante do artigo 5º da Constituição, que faz parte do rol das cláusulas pétreas consagrado pelo artigo 60, parágrafo 4º, da mesma Carta Magna. “É um debate muito sério para ser feito por puro revanchismo político”, diz.
Flávio Dino explicou que a Constituição é a Lei maior do país. “O Supremo é um garante fundamental da estabilidade democrática. Não faz sentido votar uma emenda constitucional, mexendo na Lei maior do Brasil e desafiando o Supremo, apenas por não gostarem de Lula”, argumentou.
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na quinta-feira (7) procedentes as ações de constitucionalidades da OAB, PCdoB e Patriota, pelas quais só é possível executar a pena após o trânsito em julgado da sentença condenatória.
Preso político há 580 dias, o ex-presidente Lula foi colocado em liberdade por causa dessa decisão.

 

1 pensou em “Flávio Dino considera grave mudar Constituição por puro revanchismo

  1. Grave é o STF interpretar a constituição e inventar dispositivo para tirar da cadeia os maiores ladrões dos cofres públicos, isso é grave governador, mas para o senhor só há crimes se os atores forem alguém do povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.