Supremo retoma julgamento do mensalão com voto de Ayres Britto

O STF (Supremo Tribunal Federal) retoma nesta quinta-feira o julgamento do mensalão com o voto do presidente da corte, ministro Carlos Ayres Britto, sobre as acusações de desvios de dinheiro da Câmara e do Banco do Brasil.

Na sessão de hoje, a 17ª dedicada ao caso, o ministro vai dar seu veredito sobre crimes imputados ao deputado federal João Paulo Cunha (PT-DF). Ele é acusado de ter beneficiado a SMP&B, agência de Marcos Valério, quando era presidente da Câmara dos Deputados em troca de R$ 50 mil.

Segundo a denúncia, ele teria permitido que a agência desviasse R$ 1 milhão do contrato e ainda teria usado a empresa para subcontratar, com dinheiro público, um assessor pessoal.
O que você lembra sobre o mensalão? Faça o teste e descubra
Conheça a cronologia do escândalo
Saiba de quais crimes os réus são acusados
Apesar de denúncias, Lula negou conhecer esquema do mensalão

A sessão de hoje será transmitida ao vivo pelo site da Folha e também TV Justiça (canal 53-UHF em Brasília), pela Rádio Justiça (104.7 FM em Brasília) e também pela internet.

As outras acusações que serão analisadas hoje pelo ministro são contra Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil. Ele teria permitido que a DNA, outra agência de Valério, desviasse R$ 2,9 milhões de um contrato de publicidade com o BB e teria autorizado, segundo a procuradoria, o adiantamento de R$ 73,8 milhões pagos do fundo Visanet para a agência.

Faltando apenas a apresentação do voto de Ayres Britto, o STF já reuniu a maioria necessária pela condenação de cinco réus do mensalão pelos desvios de recursos públicos da Câmara e do Banco do Brasil.

São considerados culpados pela maioria o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, ligado ao PT, além do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza e de dois ex-sócios, Cristiano Paz e Ramon Hollerbach, que atuaram nos dois casos.

Folha.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.