O vai e vem de Barbosa Lages em busca de sombra e água fresca…

Barbosa Lages al lado de Edivaldo Júnior e Otelino Neto

Blog do Marco D’Eça

O presidente da Câmara Municipal, Isaias Pereirinha (PSL), reune agora à noite 17 vereadores que se declaram fechados com seu projeto de re-re-re-reeleição.

Até agora há pouco, ainda aguardavam a chegada de Barbosa Lages (PDT), que, desde cedo, já era tido pelos aliados do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) como voto garantido em Helena Duailibe (PMDB).

Caso se confirme a adesão de Lages, Helena alcança 13 votos: os nove que já estavam na base de Holandinha e mais ea própria, Pedro Lucas Fernandes (PTB) e Marquinhos Silva (PRB), além do pedetista.

Faltando quatro dias para a eleição na Câmara, Pereirinha mantém 18 votos, o que lhe garante a vitória.

Desde o início da campanha, Barbosa Lages já demonstrava não ter segurança no apoio a Pereirinha. Em entrevista ao jornal O EstadoMaranhão, no início do mês, ele deixou a entender que poderia sucumbir se Edivaldo Júnior o chamasse.

– Se o prefeito Edivaldo chamar e tiver um bom argumento, podemos conversar – declarou, após reagir a uma tentativa do deputado Weverton Rocha (PDT) de cooptá-lo. E foi o que aconteceu.

O pedetista conversou hoje com o pai do prefeito eleito, Edivaldo Holanda Braga, responsável pela articulação na eleição da Câmara.

É Holandão quem fala em nome de Helena Duailibe, que ainda não se manifestou publicamente se é ou não candidata, apesar de participar de todas as reuniões no escritório do pai do prefeito.

Por outro lado, Pereirinha aposta na manutenção do grupo que o apoia.

E conta com a convicção de quatro aliados de peso: Astro de Ogum (PMN), Chico Carvalho (PSL), Pavão Filho (PDT) e o deputado federal Lourival Mendes (PTdoB), que articula em nome da filha, Luciana Mendes (PTdoB).

São eles os responsávei por manter a união do grupo e blindá-lo das propostas de todos os tipos que chegam do grupo holandista.

Também conta com a convicção do vereador eleito Fábio Câmara (PMDB), que se mantém firme, apesar da pressão do PMDB pela sua adesão a Helena.

– Sou home de palavra. Não posso entrar na política já com a marca da traição e da fraqueza. Vereador deve ter honra – disse Câmara.

Este é o quadro da eleição na Câmara na reta final da disputa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.