Jonathan pode ter recebido aval da organização para eliminar ex-líder

O assassino de Décio Sá, Jonathan Sousa, teve a prisão decretada pela morte do detendo Alan Kardec, um dos fundadores da facção Bonde dos 40. O crime ocorreu no Pavilhão 04 do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, durante o chamado banho de sol com um golpe de chucho no peito.

Kardec foi quem ordenou em 2013 a onda de ataques a ônibus em São Luís. De lá para cá perdeu espaço no comando e há algum tempo já  não tinha vez e nem voz na facção. deixado de lado e com constantes ameaças, ele não queria se quer deixar o isolamento com medo de morrer.

O ex-chefe do Bonde já havia se  desentendido  várias vezes com o pistoleiro Jonathan. Começaram as ameças e no domingo pela manhã Jonathan se antecipou.

Apesar da rincha entre os dois, há rumores de que o crime foi autorizado pelo comando da facção que já queria se livrar de Kardec.

Após a morte do ex-líder setores da imprensa cogitaram uma reação do comando da organização, o que não aconteceu. O silêncio da facção reforça a tese de que o crime foi mesmo autorizado.

Outro ponto é que ninguém ameaça ou desafia um líder de uma facção e fica vivo para contar, imagina ter tempo para matá-lo. E ao que tudo indica, Jonathan continuará vivo para prestar seus serviços à facção dentro do presidio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.